sábado, 7 de março de 2009

Que andam estas máquinas aqui a fazer?

Silvano não entende o dinheiro que está a ser gasto na manutenção da linha do Tua, que está encerrada desde o acidente de Agosto.
Apesar disso, como não há uma decisão governamental conhecida sobre o futuro, o autarca, que é também presidente do Metro de Mirandela - que faz o transporte dos passageiros -, garantiu hoje que "três equipas continuam a fazer intervenções em bocados da linha, nomeadamente onde houve acidentes".

Partilho da ideia do Presidente da Câmara de Mirandela: se a construção da barragem é a única saída que esta maioria vê (com o silêncio de todos os deputados do PSD e do CDS), porque se continua a gastar dinheiro em algo que não vai servir para nada?
Esta fotografia foi tirada no dia 24 de Janeiro, a menos de 3 quilómetros de Foz-Tua, ou seja na zona onde a linha deve ficar completamente submersa! Que andam estas máquinas aqui a fazer?


2 comentários:

Mario disse...

Mais um episódio de mistura entre negócios privados e agentes políticos localizados em Lisboa.

O António Maria: Portugal 89

(...)Enfim, chega desta prosa bocageana que, no caso em apreço, é muito mais do que um incidente linguístico ordinário. Na verdade, o que este incidente mostra é o estado de nervosismo crescente e o descontrolo iminente das elites corrompidas do Bloco Central. O modelo neoliberal que o PS, PSD e CDS comungaram em alegre promiscuidade ao longo dos últimos vinte anos entrou em colapso. A dimensão do mesmo, e sobretudo as consequências, são ainda imprevisíveis. Mas que os cacos começaram a cair, disso não há a menor dúvida.

O incidente foi rapidamente abafado pela turma de zombies que decora o nosso parlamento —quando seria de esperar que fosse imediatamente remetido para uma comissão de disciplina interna da Assembleia da República (ignoro se existe ou não), e o deputado insultante fortemente penalizado. Assim, como os colegas deputados vão certamente assobiar para o ar, eu faço a pergunta:

* senhor deputado José Eduardo Martins, porque se irritou tanto com a insinuação do seu adversário político Afonso Candal?
* Tem ou não interesses profissionais e/ou económicos no sector económico do ambiente?
* Está ou não ligado a empresa desta área?
* Aufere ou não vencimentos, comissões ou vantagens patrimonias ou de qulquer outro tipo de empresas ou fundações vinculadas explícita ou genericamente aos negócios do ambiente?

Eu ignoro o que se passa com o deputado laranja neste particular, como aliás desconheço completamente a história da sua vida pessoal, profissional e mesmo política. Tenho escutado as suas prestações no "Frente-a-Frente" que o Mário Crespo promove diariamente no Jornal das Nove, entre protagonistas da nomenclatura político-partidária que temos, e a impressão até era boa! Vivo, rápido nas respostas, embora invariavelmente elíptico como é a esmagadora maioria dos nossos políticos. Não estava, apesar de tudo, mal. Mas agora, depois deste incidente, a sua credibilidade caíu por terra. Ou esclarece rapidamente as dúvidas que pairam no ar sobre a sua independência política, ou vai para o rol dos socratintas sem apelo nem agravo.

O negócio do ambiente é provavelmente o mais escandaloso dossier da nossa democracia recente. Os casos da EDP, que tem um plano secreto para se apropriar do direito público da água —para isso servem as onze barragens que quer construir (1); da Mota-Engil/Martifer/Suma, que quer tudo, da construção de barragens, às auto-estradas, portos e aeroportos, do duopólio da microgeração solar ao biodiesel, da limpeza urbana ao tratamento de lixos e reciclagem; ou ainda das misteriosas fundações e empresas de consultoria onde os cozinhados do Bloco Central têm lugar —Fundação Ilídio Pinho/Fomentinvest, Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, Fundação Mário Soares, Banif - Banco de Investimento/Fundação Horácio Roque, Caixa Geral de Depósitos (2), são de pôr os cabelos em pé! Não há mesmo outra explicação para o arrastamento inconclusivo do escândalo de corrupção Freeport, e para o silêncio aterrador do Presidente da República. A economia neoliberal dos parvenues lusitanos do Bloco Central faliu, mas tirar as mãos da massa e desnovelar todo este antro de desperdício, mentira e negócios muito mal explicados, quando não ilegítimos e corruptos, vai ser uma dor de cabeça para a actual nomenclatura democrática, sem excepção.




Publicada por Jose Silva em 9:38 0 comentários
Etiquetas: «Máfias»

em

Norteamos blogspot

J.M.P.O disse...

Num país minimamente decente o sector publico fazia uma coisa que se chama planificação... O problema é que os planos, que, apesar de não se quererem rígidos, não são planos (quando se fazem) mas sim uma coisa para ganhar eleições e meter na gaveta. Nas obras públicas esbanja-se dinheiro porque não se planeia nada! É a ideia do J. M. Keynes de fazer buracos só para gastar dinheiro! Ou então é a incompetência!

Num país decente, perante uma obra como a da barragem do Tua fariam uma comparação dos impactos entre as diversas quotas e a quota zero.

Quando me disseram que viviamos num país decente enfiaram-me cá uma peta!