terça-feira, 24 de março de 2009

Quatro estações a percorrer a Linha

Com a minha caminhada do dia 12 de Março acabei mais uma viagem completa entre Foz-Tua e Mirandela, a de Inverno. Foi em Marco de 2008, mais concretamente dia 28 de Março que iniciei esta odisseia. Já tinha visitado várias vezes a Linha, mas essa caminhada foi a primeira em que houve a intenção de completar toda a extensão da linha fazendo pequenos percursos, como etapas.
No início o objectivo era fazer o trajecto de Foz-Tua a Mirandela, mas, mal o terminei em Maio, senti que não podia ficar só por isso.
Surgiu a ideia de fazer também o mesmo percurso no Verão, depois no Outono, e, finalmente, no Inverno. Em cada estação fui descobrindo novas paisagens, novas espécies, novo prazer para voltar à linha com mais entusiasmado.
Conhecer as Linha nas quatro estações mudou a minha forma de a encarar. Se a Primavera realçava o colorido de algumas zonas em que a linha aparecia num tapete de papoilas vermelhas, no Verão os tons amarelos e pastel da erva seca emprestavam transparência às curvas, que se incendiavam com raios de sol também dourado. No Outono veio o azul da água contrastado com os tons amarelos e laranjas das folhas das caducifólias. No Inverno nevou, esteve nevoeiro, o caudal subiu e vieram outras aves.
A ideia geralmente aceite de que a linha mais bonita entre Foz-Tua e Brunheda não faz para mim qualquer sentido. Sem dúvida que percorre locais inacessíveis onde o granito, mais duro, manteve o vale selvagem, impressionante, mas outras zonas têm diferentes atractivos. Depois da Brunheda o rio Tua e a Linha aproximam-se, passam a ser companheiros permitindo cenários de grande beleza. Também ganham dimensão as árvores que ladeiam o rio, permitindo tonalidades como as que estamos habituados a ver na televisão, mas que julgávamos inexistentes próximo de nós. Há também mais espécies de seres vivos, mais vida próximo do rio.
Foram 16 caminhadas que somaram mais de 200 quilómetros. Há excepção de uma, que foi feita com os meus filhos, em todas as outras caminhei sozinho. Não porque faltassem pessoas com vontade de percorrerem a linha a pé, mas sim porque quase nunca tive horário, nem apoio, sendo cada etapa uma aventura solitária às vezes com algum risco. Talvez sentisse ciumes de partilhar tanta beleza e por isso me apeteceu caminhar sozinho, sentindo de onde em onde o olhar inquisidor dos chapins ou a companhia sorrateira do melro azul.
Em termos de fotografias, são mais de 12 mil, ultrapassando 60 por quilómetro percorrido e mais de 230 por cada quilómetro de linha. São muitas recordações.

O Blogue “A Linha é TUA” só nasceu a 15 de Julho já depois de meia dúzia de etapas percorridas. Juntou informação que já tinha escrito em três blogues distintos (Frechas, Vila Flor e Carrazeda de Ansiães). Nunca foi um blogue muito popular, sendo consultado com regularidade pelos apaixonados pela Linha do Tua e por muitos que se pretendiam aventurar a percorre-la, a pé ou de Metro. Infelizmente em Agosto de 2008 aconteceu mais um acidente. Decidi que isso não alteraria a minha vontade de continuar a percorrer a linha, embora tenha dificultado bastante as minhas deslocações para as etapas seguintes.
Graças ao apoio de alguns movimentos, sítios web e blogues, este espaço foi criando visitantes assíduos, e alguns admiradores. Soma 6900 visitantes em pouco mais de 8 meses.
Qual é o futuro? Pretendo continuar a percorrer a Linha do Tua divulgando as suas belezas em fotografia. Acredito que ainda é possível salva-la e por isso não olho a esforços tentando, a meu modo, sensibilizar as pessoas para o património que está ameaçado.
No imediato aguardo com ansiedade a reabertura da circulação de composições em toda a extensão da linha, porque, mesmo percorrendo-a a pé, é triste não sentir o barulho da composição a percorrer os carris, fazendo eco ao longo do vale.

3 comentários:

JORGE DELFIM disse...

Magníficas imagens da Linha e do Rio Tua. Parabéns Aníbal!
De facto as paisagens ao longo da linha são magníficas, nesta última caminhada que fiz do S. Lourenço à Foz Tua fiquei fascinado com a paisagem que envolve a linha e o rio.
Dá uma vista de olhos no meu Blogue ...

Um abraço!

Jorge Delfim

euroluso disse...

Continua, sim, a fazer as tuas caminhadas, sozinho, como gostas, e depois partilha o que viste, os sentimentos e emoções.

Filipe disse...

Encontrei este blog, porque estou a planear algo semelhante, também por etapas. Parabéns pela organização da informação!