quinta-feira, 9 de junho de 2011

De Lisboa ao Tua e do Tua a Mirandela

Desde há muito tempo que ansiava fazer esta linha a pé. Lancei a ideia e acabei por juntar um forte grupo de caminhantes, entre amigos e colegas de trabalho. Mas ao contrário da maioria dos caminhantes desta linha, fomos em autonomia total e com o objectivo de cumprir a totalidade do percurso. Indo de comboio até à estação do Tua e regressando a Lisboa de expresso.
A nossa viagem começou em Lisboa, pelas 11h40 de sexta-feira 27 de Maio, onde seis dos sete elementos embarcaram de comboio com destino à estação do Tua. No Marco de Canaveses juntou-se-nos o sétimo elemento, o Alves.
Na estação de Mosteirô estivemos parados cerca de duas horas devido à queda de uma árvore na linha, o que veio atrasar todo o nosso percurso.
Finalmente chegados ao Tua começá-mos a caminhar já com a noite a fechar-se. Mas não desistimos de fazer o planeado para esse dia, percorrer os primeiros 7 kms de linha para pernoitar no apeadeiro de Castanheiro. Não fazíamos ideia se as estações/apeadeiros estariam ou não abertos, para nos abrigarmos. No Castanheiro alguém abriu acesso, que nos deu jeito para nos refugiarmos da chuva que já caia grossa nessa noite.
No dia seguinte, com um óptimo tempo, já pudemos observar a bela paisagem que o Tua tem para nos oferecer, e não conseguimos resistir a dar um mergulho antes de nos fazermos ao caminho.
Em Santa Luzia cruzámos-nos com um grupo grande que estava a descansar à sombra. Em São Lourenço subimos à aldeia para abastecer de água e conhecer as termas.
O nosso dia terminou em Abreiro, onde construímos um bivaque com toldos. A noite esteve muito quente, ao ponto de ser desconfortável.
No domingo, 29, apontámos a um dos maiores objectivos desta expedição, a Ribeirinha. Mal lá chegámos fomos directo ao Lucky Luke. Fomos muito bem recebidos pelos donos e ficámos a conhecer o Mário, filho do Sr Abílio. Acabámos por ficar lá um bom bocado a comer, beber minis, contar e especialmente ouvir as histórias do Mário, que são de chorar a rir! Estávamos já de partida do Lucky Luke quando eis que o Sr Abílio aparece, lentamente, agarrado à sua bengala. Mais umas fotos rápidas e regresso à linha!
No Cachão, o Alves, teve que partir de Metro até Mirandela, para garantir que chegava a horas ao trabalho na segunda-feira. Ficámos os restantes para devorar o restinho de travessas que nos separava de Mirandela.
A ideia inicial era pernoitar a 4 km de Mirandela, na estação de Latadas, e retomar na segunda-feira. Mas nem sinal das ruínas da estação, nem de um local aprazível junto ao rio para montarmos bivaque. A opção foi continuar até Mirandela. O que a mim, pessoalmente, custou bastante, devido ao muito cansaço acumulado. Lá nos conseguimos arrastar até ao km 54.
Não aconselho a fazer o percurso integral em 3 dias como nós, porque já é difícil andar com aquele passito de travessa em travessa, ainda pior com a casa às costas.

Travessas: 150 a cada 100 metros, 1500 a cada km e em 54km são 81000.
Cada um gastou cerca de €15 em alimentação.
Transportes ida e volta €42.
1º dia 7,6km
2º dia 21,7km
3º dia 24,8km

Primeiro quero agradecer a todos os elementos que alinharam neste empreendimento que há muito queria fazer, ao blog “A linha é Tua”, pelas valiosas informações que disponibiliza, e especialmente ao documentário “Pare Escute e Olhe” que nos impulsionou e nos ajudou a perceber o valor da zona que visitá-mos.

Os elementos do grupo: B. Fernandes (eu), Alves, A. Fernandes, André, Barata, Gomes e Henrique.

Nota: Agradeço a B. Fernandes (e todos os que o acompanharam) por partilharem neste blogue a sua aventura na Linha do Tua.
Aníbal Gonçalves

7 comentários:

P. Sousa disse...

A pergunta que faço é:
Poderão ver-se todas as fotos tiradas nesse passeio em algures aqui na net?
É que fotos do vale/linha do Tua por muitas que sejam, nunca são demais.

Cump.

Jorge disse...

As pontes neste percurso passam-se bem?
Estou a pensar fazer o percurso mas como tenho vertigens tenho algum receio de "encalhar" nas pontes... já fiz o percurso de Barca D'Alva a La Fregeneda e tive imensas dificuldades de atravessar as pontes porque estavam em mau estado e existia apenas uma viga de aço para passar.
No trilho do Tua é igual?

Helena martins disse...

Olá, tenho pena de ter sabido da jornada depois do seu acontecimento. Gostava de ter feito esse caminho. Quem sabe se haverá uma próxima. Se houver, queiram fazer o favor de me informarem - mlemartins@sapo.pt - se puder estarei presente. Obrigada

Ricardo Leonardo disse...

Viva Jorge,
As vigas das pontes apresentam uma superfície plana onde caminhar junto ao corrimão e estão em boas condições de conservação, pois sofreram manutenção em finais de 2010.
Cumps,

Ricardo Leonardo disse...

correcção: manutenção em 10/2007
Cumps

catarina.com disse...

estive a ler o resumo desta viagem e é tal e qual o que eu quero fazer. tenho planeado fazer esse percurso em inícios de Novembro, contudo não estava a contar pernoitar na linha... é seguro? e se não for pedir muito, como é que só gastaram 42€ em transportes (ida e volta) quando só o comboio até ao Porto é 24€ (o InterCidades, em turística)?

Bruno Fernandes disse...

Olá a todos. Confesso que desde que nunca vim ler estes comentários :(
E as respostas que darei agora pequem por ser tardias.

P.Sousa, não, nunca cheguei a publicar quaisquer fotos.

Jorge, as pontes passam-se na boa :)

Helena, vou lá de novo a começar dia 3 do presente mês de Julho, já não dá para combinar :(

Catarina, eu conto com muitas noites com as estrelas como tecto, em Portugal penso ser seguro pernoitar em qualquer lugar remoto :)
Sim fomos de intercidades até ao Porto, e Regional até ao Tua, Regressámos a Lisboa de expresso. Eu deveria ter referido que somos todos militares, daí o desconto nas viagens.