quinta-feira, 23 de julho de 2009

Deputado socialista diz no Parlamento que a linha do Tua não tem interesse turístico


A linha do Tua não tem interesse turístico. A opinião foi defendida pelo deputado socialista Luís Vaz, eleito pelo círculo de Bragança, ontem à tarde na Assembleia da República.
Durante o debate sobre a petição da Linha do Tua apresentada há um ano pelo Movimento Cívico pela Linha do Tua e que tinha como propósito defender a linha do Tua da construção de uma barragem, o deputado afirmou que “a linha férrea deixou de ser útil para as pessoas que ali vivem e trabalham, que optaram pelo transporte rodoviário”.
Luís Vaz salientou que a ferrovia poderia ter potencial turístico, mas não diz que “não conhece um único operador turístico que se tenha interessado pela sua exploração”.
Quem não gostou de ouvir estas palavras foi a deputada do Bloco de Esquerda, Helena Pinto. “Apetece-me dizer que fiquei quase sem palavras depois de ouvir tudo o que o deputado socialista disse. Só faltou concluir com viva a barragem, viva a EDP”, ironizou.
E José Silvano diz que Luís Vaz tem inveja de Mirandela. É desta forma que o presidente da câmara de Mirandela reage às declarações do deputado socialista, eleito por Bragança, proferidas, ontem, na Assembleia da República.
O também presidente da administração da Metro de Mirandela ficou surpreendido com esta posição de Luís Vaz. José Silvano considera que “só fala de Mirandela para cima e que não conhece o Vale do Tua”. Acrescenta que Luíz Vaz vestiu a pele de “deputado por Macedo de Cavaleiros” e que “como não passa lá a linha tem inveja que ela termine em Mirandela”.
José Silvano desmente também que não haja três operadores interessados em explorar a linha do Tua. "Basta consultar o estudo que as Câmaras fizeram para constatar que há empresas interessadas".
A petição sobre a linha do Tua vai ser votada esta sexta-feira.
Eduardo Pinto/RA

Nota: É caso para dizer: Se assim fala quem devia defender a região, o que esperar dos engravatados de Lisboa?

3 comentários:

Anónimo disse...

O deputado Luís Vaz tem razão.
Basta ver o histórico de utilização da linha.
A seguir-se a opinião de José Silvano (responsável indirecto, pela pressão exercida, das últimas morts na linha)o nordeste transmontano (nordestinos, como diz Carlos Magno)continuarão a queixar-se de atraso e poucas oportunidades.
Alguém investe 100 M€ para 1/2 dúzia de turistas.
Só se for para os bloquistas: pseudo-intelectuais, urbanos - estão se maribando para os "rústicos" locais.
Aproveitem-se as oportunidades e deixemos de ser "velhos do restelo".

Anónimo disse...

Deputado socialista tem razão.
A linha nunca serviu para promover o nordeste transmontano - basta ver o histórico e fazer a análise do custo/benefício.
A seguir-se a opinião de Silvano - um dos responsáveis indirectos pelas últimas mortes na linha, dada a pressão exercida - os nordestinos continuarão no esquecimento e subdesenvolvidos.
Servirão de "espécies raras" para os bloquistas - pseudo-intelectuais e urbanos - virem visitar nas férias de verão.
Aproveite-se a oportunidade de criar uma nova realidade. Trabalhe-se em conjunto, em vez de querem continuar a ser "os velhos do restelo".
Será que o desastre de Foz Côa não serviu de exemplo?
Pensem nas populações eque ali vivem e não nos vossos projectos pessoais.

Xo_oX disse...

O anónimo que enviou as duas mensagens acima, tanto pode ser um pseudo-intelectual, um boy da EDP, um "rústico" local, ou até um visionário que consegue ver na possível barragem a mudança de que esta região precisa. Se barragens, só por si, trouxessem desenvolvimento não seríamos uma das regiões mais pobres da Europa, dado número delas que já cá temos. Sou, no entanto, obrigado a concordar num ponto: foi feito muito pouco pela promoção da linha. As autarquias preferem dinheiro fácil, vendendo o rio.
Está na hora de "criar uma nova realidade" sim, mas não afogando nada. Se a promoção não foi feita, que tudo se altere agora. Se as estruturas e o material circulante não foi devidamente cuidado ou não é adequado que se atribuam responsabilidades e que sejam procuradas as respostas adequadas.
A campanha que a EDP colocou nos média é uma vergonha. É mais uma lavagem ao cérebro como tantas outras a que temos assistido por parte do poder dominante.
As gravuras do Côa foram preservadas e se não trouxeram a riqueza fácil que todos esperavam, colocaram Foz Côa no mapa Europeu e mundial, uma barragem no o fazia. São ainda um potencial que pode dar muito.
O Rio Tua e a Linha do Tua também devem ser preservados. Se não foi possível realizar um referendo para saber a vontade da população, será em Setembro o verdadeiro referendo. É obrigatório mostrar a esta maioria que não vendemos barato o pouco que nos resta.
Aníbal Gonçalves